Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Protesto’ Category

Trova V

Atravessou sem cuidado
desgarrando-me ao seu passo.
Já verei que cona faço
pra amanhar o estropiado.

Anúncios

Read Full Post »

Rebelião

Foram ambos os dous pastar
A vaca, o touro, devagar
O touro sempre a abafalhar
A vaca dixo que está cansa

Trabalho arreu pra leite dar
Mas isto um dia vai finar
Levo já um tempo a me cansar
E vou deixar de ser tão mansa

A novela dixo não
Que viva a revolução!

Um dia destes vou deixar
De vos dar cousas pra tomar
O leite agre vai estar
Não comereis os meus filhinhos

Não vai haver mais abstenção
Já é suficiente abnegação
Uma pequena aclaração
Podo morar cos meus vizinhos

A novela dixo não
Que viva a revolução!

Tu, bravo touro, escuita bem
Que quede claro: sou alguém
Estou já farta de desdém
E de sentir-me decaída

Que saibas que vou ir além
Do sentimento de fraquém
E não me vai parar ninguém
Quero viver a minha vida

A novela dixo não
Que viva a revolução!

Publicado originalmente em Abril de 2005
Baseado em
La Gallineta de Lluis Llach


Read Full Post »

Essa poça escura

Caem as figuras
As imagens morrem
Finam estruturas
Os segundos correm

Chegam novos tempos
para o nosso mundo
Mas alguns pretendem
retornar ao fundo

Essa poça escura
Essa vida dura
Povos silenciados
Sonhos acabados

Pai assassinado
Filho passeado
Uma afogadura
Uma ditadura

Publicado originalmente em Março de 2005

Read Full Post »

Há outra maneira

Se colheres um anaco da terra
poderias trabalhá-la e viver dela

De quem é a terra que trabalhas?
Tua? Do teu patrão?

Haverá quem se aproveitará
da suor do trabalhador
Haverá quem pensará
que dar trabalho é um favor

Não é certo

Não é lícito viver
do trabalho dos demais
Mentres outros não têm
sempre querer mais

Ánsias de atesourar
de possuir, de guardar
Causadas por um sistema
de ignorância criminal

Ignorar os problemas alheios
para ter os seus petos cheios
Ignorar quase o mundo inteiro
mentres tem o bandulho valeiro

Há outra maneira

Publicado originalmente em Fevereiro de 2005

Read Full Post »

A preguiça da justiça

Um moço cometeu um erro
que a sociedade rejeita
A cousa já estava feita
Já não servem os berros

Uma injusta justiça
não deixou dar mais passos
Sua fodida preguiça
não trabalhou neste caso

Uma irrisória condena
Apenas pensá-lo me apena

Logo seguem na puta rua
outros que rim na cara
do sistema que controlam
Sabem que por serem eles
não os vai tocar ninguém
Não dá chegado a sua hora
O sistema não fai rem

O rapaz vai irá a prisão
por inconsciente toleria
Outros na casa estarão
por reticente picardia

Nunca te esquecerei
mocinho, coitado
Vítima deste puto sistema
Vítima dos putos advogados

Publicado originalmente em Janeiro de 2005

Read Full Post »

A vida era sonho

Um dia topou sem procurar
um amor por que sonhar
Achegou o seu coração
o que foi a sua perdição

Quando pensou que a vida era sonho
despertou no meio do seu pesadelo
Aguentar esse sofrimento
Suportar o maldito tormento

Queria morrer

Finalmente, a sua história rematou
Uma vida que pudo ser, não foi
Ele segue a caminhar hoje pola rua
após roubar uma vida que não era sua

Como cabe numa mente humana assassinar?
Como pode essa emoção numa mente entrar?

Por que possuir o que amas?

Hoje como ontem
Liberdade pràs borboletas!

Publicado originalmente em Dezembro de 2004

Read Full Post »

Algo jamais logrado

Houve uma vez um rei
que viveu o fim do seu reinado
O povo tirou-lhe todo o seu poder
e instaurou algo jamais logrado

Não seguirom coa injusta tradição
Abrirom as portas ao mundo
Conseguirom essa ansiada Revolução
Conseguirom aquele sonho profundo

Por que não vivermos sem pátria nem bandeira?
Por que não esquecermos as condenadas fronteiras?

No conjunto da Humanidade
na nossa imensa diversidade

Teremos muito que ganhar
Viva o poder popular!

Publicado originalmente em Dezembro de 2004

Read Full Post »

Older Posts »